segunda-feira, 14 de setembro de 2020

[CRÍTICA] Coisa mais linda - 1ª e 2ª temporadas

 

Olá, preguiçosxs!
Hoje é dia de falar sobre uma série brasileira, maravilhosa e disponível na Netflix: Coisa mais linda.

  Ambientada no Rio de Janeiro dos anos 50/60 e regada à bossa nova e samba, a série acompanha a trajetória de Malu, Adélia, Thereza e Lígia. Em comum essas quatro personagens, com personalidades e sonhos distintos, lidam com as dificuldades de ser mulher no Brasil dos anos 50 e 60.

Temporada 1

  Malu, uma típica paulista, chega no Rio de Janeiro com para encontrar seu marido e abrir um restaurante. Porém, quando chega na cidade maravilhosa, descobre que parceiro a abandonou com dívidas e muitos problemas. É nesse cenário que a moça conhece Adélia, uma doméstica, que além de lidar com o machismo, tem que enfrentar o racismo. Juntas elas abrem o clube de música Coisa Mais Linda. Ligia, sua melhor amiga de infância que sonha em ser cantora, acolhe Malu e a apresenta a Thereza, sua cunhada. Thereza é uma mulher a frente do seu tempo, que luta pelos seus diretos. Juntas elas enfrentam várias situações divertidas e delicadas, enquanto buscam seus sonhos. A temporada termina com um gancho surpreendente.

Temporada 2

  Após os acontecimentos da promissora 1ª temporada, as amigas devem lidar com mudanças, suas feridas e problemas - principalmente com os relacionamentos -, enquanto o machismo continua interferindo diretamente em suas vidas. A história de Ivone, irmã de Adélia, ganha espaço no enredo. Além disso, um julgamento movimenta a trama e desencadeia o gancho para a terceira - e ainda não confirmada - temporada. 

Pontos positivos (geral): Temáticas; enredo; construção dos personagens; desfechos das temporadas; atuação; trilha sonora; fotografia; figurinos.

Pontos negativos (geral): Poucos episódios; velocidade da trama (algumas histórias são "engolidas" rápido demais).



  Coisa mais linda é uma série incrível! Quando comecei a assistir me perguntei por que não tinha visto antes, ou seja, recomendo. A história é muito boa, as personagens são muito bem construídas e a trama consegue abarcar vários âmbitos da sociedade e a situação da mulher nesses lugares. É uma série feminista regrada a muita música num momento onde a bossa nova estava ganhado força no Rio de Janeiro. Os figurinos e a fotografia são detalhes a parte; existe muito cuidado e capricho nas escolhas, inclusive na paleta de cores que remetem ao calor. 
  Além disso, destaco alguns diálogos e situações machistas que deixam xs telespectadorxs muito, muito revoltadxs e nos levam a diversas reflexões. Ao mesmo tempo que as mulheres obtiveram várias conquistas, ainda temos muito o que evoluir e algumas situações da série servem como um lembrete. Existe muita sensibilidade (isso quer dizer choro de quem assiste) e empoderamento feminino nessa produção.
  Netflix, por favor, faça uma 3ª temporada! Vou deixar os trailers aqui para vocês conferirem. Até mais!

1ª temporada


2ª temporada (só assista se você viu a 1ª temporada)


3 comentários:

  1. Ah. Quero muito ver essa série. A história e a fotografia chamaram a minha atenção.

    Bom fim de semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Emerson!!
      Essa série é sensacional, vale muito a pena conferir.
      Obrigada pela visita!

      Excluir
  2. Olá Lorena!!!
    Eu havia visto o trailer da primeira temporada, mas nunca havia me atentado a série mesmo, acabei tendo uma ideia pela critica sua o quanto a série é empoderada e importante para nós mulheres e que é preciso que essa serie seja repercutida.
    Amei de verdade o enredo dela!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir