segunda-feira, 24 de julho de 2017

[RESENHA] O Príncipe


"Aos ricos parecia que O Príncipe fosse um documento para ensinar o Duque a tirar-lhes o que tinham e aos pobres toda a liberdade. Aos Piagnoni, o livro parecia herético; aos bons, desonesto; aos maus, pior e mais bravos que eles próprios, de modo que todos o odiavam."

(Villari, Machiavelli e Suoi Tempi)




 Nicolau Maquiavel é considerado fundador da política moderna, o livro O Princípe é a sua principal obra. 



"O desejo de conquistar é coisa verdadeiramente natural e ordinária, e os homens que podem fazê-lo serão sempre louvados e não censurados."


  Podemos dizer que o livro é uma espécie de manual absolutista dado ao Príncipe Lorenzo de Médice de presente.
  Entre o passado e o presente, Maquiavel analisa o comportamento e a atitude de vários governantes de maneira racional. O autor não mede esforços para dizer como obter e manter o poder, daí a expressão "os fins justificam os meios". 



"Deve, portanto, o príncipe fazer-se temer de maneira que, se não se fizer amado, pelo menos evite o ódio, pois é fácil ser ao mesmo tempo temido e odiado [...]"


  Atualmente, seu nome está relacionado a atos imorais e violentos. O termo "maquiavélico" surgiu pois, a sua maneira um tanto opressiva de impor as ideias não estavam de acordo com os cientistas naturais da época. 



"[...] não temo a pobreza, não me perturba a morte: transfundo-me neles por completo."


  O livro é simples e direto. Eu admiro a audácia do autor ao refletir e escrever sobre um tipo de governo extremamente instável, onde o mais estratégico e frio resiste. Apesar de um modelo político ultrapassado, é primordial a leitura deste para os que gostam de política.  
  Apenas a título de curiosidade, as obras do autor foram proibidas durante o período da Contrarreforma por tratar de questões religiosas.
  Bom, espero que tenham gostado da resenha. Até mais!
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário